A zona morta, de Stephen King - Editora Suma de Letras

A zona morta, de Stephen King - Editora Suma de Letras
A zona morta
Autor: Stephen King
Editora Suma
Ano: 2017
Número de páginas: 479
Cortesia da Editora

Quando penso que Stephen King não pode mais me surpreender, leio mais um de seus livros e descubro que estava errada. Com que gosto li A zona morta, publicado pela Editora Suma de Letras, e me descobri reencontrando personagens de Cujo, outro livro do autor que li recentemente. Não direi que personagens são esses, e como eles aparecem, para não estragar a surpresa daqueles que quiserem ler os dois livros. 

A obra conta a história do jovem professor John Smith, que vive um início de namoro com a também jovem professora Sarah Bracknell. Os dois passam horas agradáveis, divertindo-se em uma feira regional, mas na hora de voltar para casa, John decide dar uma parada em uma barraca para jogar roleta. Algo estranho ocorre. Utilizando-se de premonições sobre os números a serem jogados, John ganha uma boa quantia em dinheiro. Porém, sua sorte não está tão boa assim, pois ao voltar para casa, após despedir-se de Sarah, John sofre um grave acidente de carro e fica em coma por quase cinco anos.

A zona morta, de Stephen King - Editora Suma de LetrasQuando ninguém mais esperava que o nosso protagonista acordasse, ele começa a dar sinais de vida. Como dá para imaginar, o seu retorno ao mundo dos vivos não será nada fácil. Além das questões físicas, pois os ligamentos de seu corpo já estavam começando a atrofiar, John terá de enfrentar uma realidade completamente diferente da que conhecia há cinco anos. Sua mãe está ficando maluca e sua namorada casou-se com outro homem. Mas ainda há um outro problema: as habilidades premonitórias de John estão ainda mais fortes, basta que ele toque em alguém, ou em algum objeto para que tenha uma de suas visões. E não é muito fácil lidar com isso.

John consegue dar uma utilidade a esse seu talento ajudando a polícia a descobrir quem é o serial killer que aterroriza a cidade de Castle Rock (esse é o momento em que reencontramos personagens de Cujo). Quando a tranquilidade parecia estar de volta à vida de John, ele aperta a mão de um candidato durante uma campanha política. O que ele vê o aterroriza de tal forma, que ele passa a viver em função disso. É então que inicia o 
grande dilema da vida de John.

Pense em um livro que verdadeiramente prende o leitor. King é mesmo um mestre, sabendo dosar muito bem elementos de suspense, de drama e de paranormalidade, com uma pitada de romance. John é um personagem que nos comove profundamente. Imagine dormir, em um certo dia, com uma vida feliz, emprego, namorada e tudo nos eixos e acordar no outro dia com sua vida virada de cabeça para baixo. O relacionamento de John e Sarah também é muito comovente. O sentimento que os une é muito verdadeiro, é impossível não torcer pelos dois. O texto, como todos os que já li de King, é impecável. O autor vai largando alguns elementos que parecem soltos e que, no decorrer da narrativa, vão se juntando, como se fosse um quebra-cabeça, para no final fazer todo o sentido.  De um a dez, dou nota mil para A zona morta.

A zona morta, de Stephen King - Editora Suma de Letras


Para comprar: Cultura| Amazon